Wikcionário:Páginas para eliminar/Eliminações rejeitadas

Origem: Wikcionário, o dicionário livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Eliminação
Replacement filing cabinet.svg Arquivo de eliminadas
Lista (mais recentes)
Replacement filing cabinet.svg Arquivo de não eliminadas
Rejeitadas
Inconclusivas

2018[editar]

20 de junho de 2018[editar]

Verbete não corroborado por nenhuma fonte. Não consta no Aurélio, Houaiss, Michaelis e nenhum outro dicionário que eu conheça. Uma vez que o projeto não admite pesquisa inédita, a ausência de fontes sobre a existência dessa palavra impõe a eliminação. Tribuno da Plebe SPQR 18h48min de 5 de junho de 2018 (UTC)

A favor
  1. Tribuno da Plebe SPQR 18h48min de 5 de junho de 2018 (UTC)
  2. Leonardo José Raimundo (Discussão) 19h39min de 5 de junho de 2018 (UTC)
Contra
  1. --Valdir Jorge  fala!
    20h16min de 11 de junho de 2018 (UTC)…
  2. Tribuno da Plebe SPQR 20h36min de 11 de junho de 2018 (UTC) o usuário Amigo7 (disc.contrib.edições) apresentou fontes atestando o uso da palavra.
Comentários

Realmente não existe a palavra internete, e sim internet. É uma palavra inglesa que significa área de trabalho internacional.

Leonardo José Raimundo (Discussão) 19h39min de 5 de junho de 2018 (UTC)

Já corroborado, está nas citações, o Wikcionário não é Wikipédia, o que mantém os verbetes são as citações, aqui não existe isso de pesquisa inédita, é registrado o significado da palavra, ponto, mais uma vez querendo usar regra de Wikipédia no Wikcionário, já foi avisado disso, o fato de estar ou não em dicionário conta 3 toletes e uma bolotinha, ou seja, nada, e disso também já foi avisado, aliás isso faz pensar que nem leu os CdI ou mesmo o Vocabulário da Academia de Ciências de Lisboa, que rege a língua nesse tocante, o qual diz claramente, se adapta estrangeirismos conforme representação gráfica da língua portuguesa, no Vocabulário da Academia de Ciências de Lisboa, lê-se:

O aportuguesamento dos estrangeirismos deve ser feito adequando a realização fonética à representação gráfica portuguesa («knockout» = nocaute; «leader» = líder; «football» = futebol; «aftershave» = aftercheive; «feedback» = fidebeque).
A equivalência deve ser feita sem inibições nem deferência pelo imaginário simbólico ou de prestígio das línguas de origem.

Claramente internete é um aportuguesamento, o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Academia de Ciências de Lisboa, texto e instrumento jurídico nos dá o direito legal de aportuguesar à vontade e chamar o que aportuguesamos de português legalizado. Assim portanto não precisamos da tua permissão, o VOL já nos deu, ou de dicionário para 1) aportuguesar e 2) registrar o aportuguesamento. Não é a primeira vez que você vai contra as diretrizes contidas no Vocabulário da Academia de Ciências de Lisboa, e não bastasse isso mostra exatamente o que o Vocabulário da Academia de Ciências de Lisboa diz que não deve ser feito, você mostra deferência pelo imaginário simbólico ou de prestígio das línguas de origem num claro vira-latismo o qual o Vocabulário da Academia de Ciências de Lisboa já vem vacinado. Sem esquecer que o fato de estar ou não em dicionário pra você [1] não serve de nada ou é uma coisa seletiva? Conforme você gosta do verbete ele é amado para deleção e arrancável? Se me lembro foi você que disse que o Wikcionário não podia virar uma terra sem dono, logo quer ser o dono, se dá o direito de escolher o que entra conforme seu gosto, e de quem está no balcão e não conforme as palavras sendo usadas. Sua proposta de deleção é cheia de enviesamento mais uma vez? Você não ojeriza termos aportuguesados e aqueles da malta? Você não é um antilufonista? Não era você que queria remover nossas grafias adaptadas como preconiza o Vocabulário da Academia de Ciências de Lisboa para colocar formas predominantemente do inglês e japonês no lugar pois são suas línguas de estimação? Você não tem uma Wikipédia toda para desaportuguesar e destruir mas não contente quer ferrar com o Wikcionário também? E essa mensagem não é de graça, você já mostrou um claro padrão de prejuízo aos verbetes que não sejam figura e imagem carbono ortograficamente tal como no inglês ou japonês escrito, se gosta tanto desses idiomas vai editar lá nos respectivos dicionários, não usa o Wikcionário de Telecurso 2000 de idiomas de estimação.--Askekamo (Discussão) 20h43min de 6 de junho de 2018 (UTC)

Encontrei o livro:

Celso Pedro Luft, Novo Guia Ortográfico, 3a edição, 2013, ISBN 978-85-250-5559-0.

e neste livro:

Apêndice III. Estrangeirismos e estrangeirismos já aportuguesados (seção Estrangeirismos já aportuguesados):
internet (ingl.): internete

Amigo7 (Discussão) 22h14min de 7 de junho de 2018 (UTC)

Sou obrigado a votar contra, pois parece que ficou provado que o verbete existe mesmo em português.
Mas mesmo que ele não existisse em nossa língua, não poderíamos deletar a entrada, pois os interwikis mostram que o verbete existe em francês, valão e servocroata.
Por essas e por outras, independentemente do resultado da votação, vejo-me obrigado a declarar que não vou deletar o verbete.
--Valdir Jorge  fala!
20h16min de 11 de junho de 2018 (UTC)

Decidi dar uma chance ao verbete, mas ele não pode, em hipótese alguma, ter qualquer posição de prevalência ou destaque sobre a forma predominante internet. Isso precisa ser discutido o quanto antes. Tribuno da Plebe SPQR 20h36min de 11 de junho de 2018 (UTC)

2016[editar]

4 de junho de 2016[editar]

Jéssica S. Ciqueira criou verbetes inexistentes nos dicionários. Não existem esses verbetes em nenhum dicionário. Quanto ao último verbete a ser eliminado, a regra do Wikcionário é clara: não se devem criar verbetes em linguagem vulgar ou inculta. Somente em linguagem formal, conforme a norma culta da Língua Portuguesa.

Leonardo José Raimundo (Discussão) 21h36min de 20 de maio de 2016 (UTC)

A favor
  1. Leonardo José Raimundo (Discussão) 21h36min de 20 de maio de 2016 (UTC)
Contra
  1. Luan (Discussão) 19h05min de 22 de maio de 2016 (UTC) são todas palavras válidas, registradas em dicionários ou usadas na literatura respeitados conforme constam nos próprios verbetes.
  2. --Cpls (Discussão) 21h47min de 22 de maio de 2016 (UTC)
  3. 1973 Antônio Marcos O Homem de Nazaré 04h12min de 24 de maio de 2016 (UTC)
Comentários

@Leonardo José Raimundo: favor usar a predefinição apagar no corpo dos verbetes para sinalizá-los de que estão sendo propostos à eliminação votada. Luan (Discussão) 19h05min de 22 de maio de 2016 (UTC)

Luan, onde foi que você viu que esses verbetes existem nos dicionários? Se eles estão sublinhados em vermelho é porque não existem em nenhum dicionário. Analise: ajudante e representante são adjetivos comuns aos dois gêneros; o feminino de presidente é presidenta; caçula é um substantivo comum aos dois gêneros; dicionário não tem feminino, pois é um ser inanimado; a grafia correta é inglês.

Leonardo José Raimundo (Discussão) 19h50min de 22 de maio de 2016 (UTC)

Leonardo, como você já percebeu um dos verbetes que propôs pertence ao léxico do italiano e outro é grafia antiga. "Presidente" é comum aos dois gêneros e tem duas formas femininas, portanto tem "o presidente", "a presidente" e "a presidenta". O mesmo acontece com algumas outras palavras: "ajudanta" (registrada no Aulete, como mostra o próprio verbete), "representanta" (registrada no Michaelis, como mostra o próprio verbete). De forma semelhante mas contrária, "caçulo" é uma forma masculina admitida, assim tem "filha caçula", "filho caçula" e "filho caçulo", tal como está registrado no Priberam (isso também está mostrado no verbete). Por fim, realmente "dicionário" como substantivo é um ser inanimado, mas como adjetivo tem como flexão no feminino "dicionária". Luan (Discussão) 21h01min de 22 de maio de 2016 (UTC)


2014[editar]

1º de fevereiro[editar]

jesuses[editar]

Esta forma plural é desconhecida. Não há evidência de que é usada e por isso mesmo não se encontra listada nem no Michaelis, nem no Priberam e nem no VOP:

Moderno Dicionário da Língua Portuguesa: “jesuses”
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa: “jesuses”
Vocabulário Ortográfico do Português: “jesuses”

Fora isso Jesus(es) não é um antropónimo e deveria ser escrito com letra maiúscula? Alias, a forma singular jesus parece ser somente usada em sentido figurado (ao contrário do que se diz no verbete) e não é portanto uma entrada independente. Mesmo a interjeição é escrita com letra maiúscula. --• Diogo P. Duarte • (Discussão) 23h49min de 16 de janeiro de 2014 (UTC)

A favor
  1. • Diogo P. Duarte • (Discussão) 23h49min de 16 de janeiro de 2014 (UTC) , pelos motivos citados acima.
  2. ...
Contra
  1. 1973 Antônio Marcos O Homem de Nazaré 12h11min de 21 de janeiro de 2014 (UTC), pois muitos plurais de palavras oxítonas terminadas em esse são: ananás (ananases), Moisés (Moiseses), português (portugueses) e assim sucessivamente, além de jesus (jesuses).
  2. ...
Comentários

Mais duas notícias sobre esta palavra:

Agradeço-lhe de todo o meu coração! Obrigado! 1973 Antônio Marcos O Homem de Nazaré 14h33min de 21 de janeiro de 2014 (UTC)

Olá Leonardo! Obrigado pelos links.
  • Icon no.svg Discordo quanto ao plural. Nas três referências acima observa-se a grafia Jesuses com letra maiúscula. Ou seja, aponta-se aqui uma pluralização de Jesus como "nome próprio" e não de um adjetivo/substantivo. Icon yes.png Concordo, no entanto, com a declinação usando o sufixo -es, . • Diogo P. Duarte • (Discussão) 19h03min de 21 de janeiro de 2014 (UTC)
Pergunta ao Senhor Diogo Duarte: Senhor, Vossa Senhoria leu todas as três notícias escritas, clicando nestes linques? Agradeço-lhe de todo o meu coração! Obrigado! 1973 Antônio Marcos O Homem de Nazaré 19h55min de 21 de janeiro de 2014 (UTC)
Ao Sr. Leonardo Melanino: Não, apenas havia lido os parágrafos aonde o plural em questão aparece. Inclusive percebo agora que me passou despercebido o plural grafado com letra minúscula que na referência Revista Brasileiros (e devo por isso refazer minha análise). Já os outros dois links confirmam o que venho dizendo: Se se referem ao antropônimo Jesus e não podem ser tomados como contra-argumento aqui.
Também percebi uma informação nova pesquisando o verbete jesus, no Dicionário Priberam. Este foi lá documentado como sendo substantivo de dois números. Teria, portanto, plural invariável semelhante a lápis, anis e vírus.
Compreendo assim que o uso do plural "jesuses", como na Revista Brasileiros, é puro desvio. Mas sendo o Wikcionário um léxico não-normativo, poder-se-ia, talvez, justificar o verbete em questão. Sugiro primeiramente a criação do verbete Jesuses (com letra maiúscula), conforme a citação no Jornal do Comércio "[...] Jesuses, Marias e Josés [...]". • Diogo P. Duarte • (Discussão) 21h58min de 21 de janeiro de 2014 (UTC)
Senhor Diogo Duarte, muito obrigado pelo debate nesta votação, pois sem debate não existe consenso! Agradeço-lhe de todo o meu coração! 1973 Antônio Marcos O Homem de Nazaré 22h07min de 21 de janeiro de 2014 (UTC)

19 de junho[editar]

tubosa[editar]

O verbete tubosa foi criado supostamente como sendo sinónimo do lexema tubaína. Tubosa é um nome próprio e marca de refrigerante; tenho as minhas dúvidas quanto ao uso metonímico e divulgação desta palavra. Talvez o IP 189.103.41.166 que propôs o verbete possa apresentar alguma evidência?
Senão, proponho que seja eliminado. • Diogo P. Duarte • (Discussão) 10h39min de 3 de junho de 2014 (UTC)

Eu nem sabia que havia uma marca de tubaína chamada Tubosa. Pra mim, até onde sei, tubosa foi sempre sinônimo de tubaína, mas não uma marca. O Google dá vários resultados para tubosa, mas resultados que não se referem a uma marca. Se quiser, dê uma olhada: "uma tubosa" Eu pesquisei "tubaína Tubosa" e nada de marca também. Na minha infância e adolescência era muito comum ouvir a galera falar tubosa ao invés de tubaína, sendo que as marcas mais consumidas que me lembro (pelo menos aqui no Paraná) eram a Ouro Verde e a Funada. Se quiser apagar essa palavra, por mim, tudo bem. Mas ela é legítima.
—comentário não assinado de 189.103.41.166 (discussãocontrib) 17h00min de 3 de junho de 2014‎