Wikcionário:Versões da língua portuguesa

Origem: Wikcionário, o dicionário livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mapa dos países e regiões onde o Português é falado ou possui status oficial.

O português escrito em Portugal, na África e na Ásia contém diferenças em relação ao português escrito no Brasil.

Por exemplo, na página principal aparece escrita várias vezes a palavra projeto. Esta palavra está escrita na norma seguida no Brasil. Nos outros países em que se fala português, escreve-se projecto.

Qual das duas versões está correta? Ambas.

Simplesmente uma versão é usada no Brasil e outra em Portugal, África, Ásia e Oceania. Como acontece nas outras grandes línguas internacionais, não existem versões superiores ou inferiores: são apenas diferentes. Por isso, não considere algo que não está escrito no seu português local como incorreto apenas por essa razão.

Este Wikcionário é de língua portuguesa, ou seja, é de todos os falantes do português, seja qual for a norma que utilizam. Consequentemente, é má educação mudar da norma "A" para a norma "B", porque isso implica uma falta de respeito com todos os utilizadores da norma "A" da língua portuguesa.

Um artigo está tão correto se for escrito em português do Brasil como em português de Portugal, da África, da Ásia e da Oceania. A mistura das duas normas num mesmo artigo, no entanto, pode ter resultados um pouco estranhos. Assim, se um utilizador fizer mudanças significativas num determinado artigo escrito na outra norma, é compreensível que edite a parte não alterada para se adequar à parte nova. O que significa realmente «mudanças significativas» cabe a cada um decidir, mas um bom ponto de partida é 50%.

  • Veja na Tabela as palavras que diferem graficamente.
  • Para que lhe esclareçam alguma dúvida ou caso precise de alguma informação visite a Página de Discussão.

Diferenças[editar]

Diferenças entre o Português do Brasil (pt-BR) e de Portugal e África (pt-PT):

  • Uso de consoantes mudas (ou pronunciadas) em Portugal e África. O "c", o "p" e o "n" são muitas vezes sons mudos em português quando antecedem outra consoante. No Brasil, as não pronunciadas no seu português padrão foram eliminadas. Assim, enquanto que em pt-PT se escreve "acção", "óptimo" e "connosco"; no Brasil escreve-se "ação", "ótimo" e "conosco".
  • Acentuação variável. Devido à pronúncia padrão de cada país, muitos "o" e "e" seguidos de consoante nasal são grafados com vogal fechada no Brasil (v.g. patrimônio, gênero) e são vogais abertas no restante espaço lusófono (património, género).
  • Significados diferentes. Algumas palavras têm significados diferentes nos dois países (ex. no Brasil "puto" é uma gíria pejorativa para prostituto ou para dinheiro, e em Portugal significa apenas uma criança.).
  • Países e cidades. Devido ao Português não ter tido gestão centralizada, alguns novos países têm nomes um pouco diferentes nas duas versões. Em relação aos países de nome persa, em Portugal e África optou-se pela forma tradicional de tradução em que "an" torna-se "ão". No Brasil, isto foi deixado de lado, e "an" é adaptado diretamente à fonética da língua portuguesa, em que "an", lê-se e torna-se "ã". Exemplos: pt-PT: "A capital do Irão é Teerão"; pt-BR: "A capital do Irã é Teerã". No entanto, há exceções e no Brasil certas localidades/países ficam na forma tradicional igual à de todos os demais países, exemplos: "Paquistão" e "Afeganistão". Além disso, a prática portuguesa é de usar nomes de cidades aportuguesados como Dusseldórfia e Francoforte (estando no entanto este costume a cair em desuso, mantendo-se apenas aqueles que estão muito enraizados, Estocolmo ou Moscovo, em vez de Stockholm e Moskva), enquanto no Brasil usam-se muitos nomes no original, como Düsseldorf e Frankfurt, aportuguesando, no entanto, palavras que terminam em "d", como Bagdad e Madrid para Bagdá e Madri. Em Portugal tende-se a acrescentar-se o "e", ficando Baguedade (Madrid é usado em vez de Madride). Entretanto muitos nomes são universalmente aportuguesados, como Londres e Varsóvia, enquanto outros podem ser aportuguesados ou não no Brasil, como Nova Iorque que muitas vezes é chamada New York mesmo.
  • Há também preferências (neste caso, não são diferenças) no uso gramatical. Enquanto que um português optaria por dizer: "Estou a comer", um brasileiro optaria por "Estou comendo". Isto funciona sempre com o verbo estar, com outros verbos usa-se o gerúndio no segundo verbo ou não, ex: "vou indo". "Vou a ir" é visto como estranho, é erro gramatical e nunca usado.
  • No Brasil há preferência pela segunda pessoa indireta "você" na maioria dos estados, conjugada em terceira pessoa, em oposição a Portugal, que prefere o "tu".
  • Em relação aos verbos, em pt-BR os pronomes com papel de complemento vêm frequentemente antes do verbo. Temos portanto Ele me deu um livro e Eu o vi. Esta estrutura gramatical é ainda adotada nos paises africanos e asiáticos. Em Portugal, em geral os pronomes vêm depois do verbo, ligados a este por um hífen (o símbolo "-"): "Ele deu-me o livro" e "Eu vi-o".
  • Em Portugal pronuncia-se o "a" aberto no passado da primeira pessoa do plural, em verbos terminados em "ar" e se acentua. Por exemplo "Falámos ontem" em Portugal e "Falamos ontem" no Brasil onde a pronúncia do presente "Falamos hoje" é a mesma que a do passado.
  • O Brasil usa convenções tipográficas diferentes das portuguesas. No Brasil usam-se aspas duplas no estilo anglo-saxão (i.e., americano) - (“ e ”), enquanto em Portugal usam-se no estilo francês (« e »). Atualmente usam-se mais as aspas duplas "" em Portugal, devido à maior facilidade de escrita.

Essas diferenças, naturalmente, não esgotam a variedade da língua portuguesa, que inclui além das duas grandes normas escritas, inúmeras variações locais, algumas suficientemente importantes para, pelo menos, serem consideradas subdialetos. Isto acontece quer em Portugal, quer no Brasil, quer nos outros territórios lusófonos.

Ortografia unificada[editar]

Actualmente/atualmente está em discussão um projecto/projeto de texto de ortografia unificada de língua portuguesa aprovado em Lisboa, em 12 de Outubro de 1990, pela Academia das Ciências de Lisboa, Academia Brasileira de Letras e delegações de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe, com a adesão da delegação de observadores da Galiza. Ver ortografia unificada.

No Brasil, a nova ortografia já está de facto/fato em uso. Foi adoptada/adotada pela grande imprensa e pelos principais meios de comunicação.

As novas regras já implementadas no Brasil podem ser consultadas em o que muda com a reforma da língua portuguesa.