Discussão:irado

Origem: Wikcionário, o dicionário livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Neologismo[editar]

Não consigo confirmar irado = Muito bom; que agrada bastante. nem que os sinónimos de irado possam ser legal, supimpa, ótimo, excelente, fabuloso, fantástico, maravilhoso
Está esta informação correcta?
Será esta informação supimpa?
Jtlopes 18h17min de 31 de janeiro de 2008 (UTC)


Vendo bem, o busílis pode estar em bravo e bravo! que, como todos sabem melhor do que eu, são duas palavras diferentes (e com etimologias diferentes). Jtlopes
Esta é uma gíria recente utilizada por adolescentes aqui no Brasil, com este significado mesmo. O Houaiss não menciona este significado. A informação está correta, mas não sei se merece permanecer aqui. Para mim é nova e insignificante demais para ser dicionarizada, mas posso estar sendo demasiado livresco e formalista. --Schoenfeld 19h15min de 31 de janeiro de 2008 (UTC)
Estando a informação [palavra/significado] correcta e sendo usada, a acepção pode e deve constar aqui. Contudo e salvo melhor opinião, devia ficar claro no verbete que se trata de duas palavras e não apenas de uma como agora se pode dar a entender. Quanto aos sinónimos e à tradução para inglês haverá sempre tempo para melhorar a informação se disso houver necessidade. Estarei muito errado se entender que este novel irado é ira- [tupi-guarani] + -ado [latim] substituível por melífluo ou melado?
Vamos esperar por mais opiniões, em especial a do Waltter, e aguardar que a informação seja melhorada. Jtlopes 19h26min de 1 de fevereiro de 2008 (UTC)



Colegas,
Minha informação sobre o novo sentido (supimpa,legal, ótimo etc) está bastante correta, inclusive os sinônimos. A tradução em inglês é exatamente como mencionei: terrific, como também os respectivos sinônimos em inglês. Veja também no Dictionary.com. Nos 10 anos que morei nos Estados Unidos (Washington,DC), constatei que essa palavra é muito usual, e suas circunstâncias de uso equivalem exatamente ao brasileirismo “irado”, já usado há diversos anos aqui no Brasil. Antes de aparecer esse neologismo, as palavras usadas aqui eram, e ainda é, às vezes: supimpa, ou principalmente no Nordeste do Brasil: retado ou arretado. Veja pesquisa no Google com o adjetivo irado: [1].
Além de escutar ao vivo pessoas (adolescentes ou adultas) usar bastante essa palavra “irado” com o sentido de agradabilidade, lembro-me de já ter visto dois filmes de cinema em DVD onde tal novo sentido também é usado na dublagem (en: dubbing) em português, a saber, as animações “Irmão Urso 2” (en: Brother Bear 2) e “Barbie: A Princesa da Ilha” (en: Barbie: The Princess of the Island”);
A propósito, acho que um dicionário deve ser o mais completo possível, e novos sentidos que as palavras passam a ter não devem ser omitidos de qualquer dicionário. Se o uso não for prolongado, basta a gente indicar a linguagem “Modismo”, no meu ver. Isto porque, mais cedo ou mais tarde, mesmo se tratando de modismo, alguém vai ler o neologismo em alguma revista ou jornal, ou ouvi-lo em alguma dublagem de filme de cinema, e certamente, se necessário, procurará pela explicação do seu sentido em algum dicionário, o qual espera-se não estará incompleto. É o que se chama de evolução de uma língua. E por que qualquer dicionário, o Wikcionário ou não, deveria parar no tempo e ficar desatualizado? Agora, o verbete “irado” tem todos os sentidos pertinentes constantes do Wikcionário, o que, na minha opinião, é uma vantagem. De qualquer forma, acho que nenhuma palavra é muito usual e conhecida em todos os países de língua portuguesa, e às vezes até mesmo dentro apenas do Brasil. Eu, por exemplo, fiquei surpreso ao constatar que um brasileiro amigo meu, de cerca de 40 anos de idade, não conhecia a expressão negócio da China (fazer um negócio da China). No dia seguinte, fingindo não conhecê-la, perguntei a um garoto de 10 anos e ele me explicou, corretamente, o que essa expressão significa. Acho que o importante é que, uma vez comprovado que um neologismo teve aceitação, prolongada ou não, de uso em todo o estado de um país ou no país inteiro, essa nova palavra ou palavra já existente com um novo sentido deve ser acrescentada a qualquer dicionário que deseja manter-se atualizado. Falando de melhoras, vou acrescentar ao presente verbete as duas traduções adicionais que mencionei acima (retado e arretado), as quais não me haviam ocorrido antes. Em tempo, não conheço o significado de rilhafoles (parar ao rilhafoles), expressão usada pelo nosso colega Pinto, na Esplanada. Pelo jeito, o sentido não é irado ou supimpa. Seria o caso de alguém acrescentar essa palavra rilhafoles ao Wikcionário? Fiquei curioso para saber o que significa exatamente, e em qual país ela é usada. Waltter Manoel da Silva 15h27min de 12 de março de 2008 (UTC)
Olá Waltter!
Segundo a Priberam, rilhafoles é um "palácio de Lisboa, que foi célebre pelas suas riquezas e que depois foi transformado em hospício de doentes mentais". A melhor "tradução" então em português do Brasil deve ser pinel.
--Valdir Jorge fala! Canadá 15h55min de 12 de março de 2008 (UTC)
Oi ValJor,
Obrigado pela explicação, muito correta, por sinal. Então, "parar ao rilhafoles", de Portugal, seria aqui no Brasil "acabar pirando" ou "acabar ficando pinel" ou "acabar ficando lelé da cuca", ou, formalmente, "chegar ao ponto de enlouquecer". Mas não acho que surgimentos de neologismos devam ser razão para tanto. No início a coisa causa estranheza, principalmente em casos de novos sentidos para palavras já existentes. É o caso de: 1. escroto: "excêntrico, muito desagradável, esquisitão(en: weirdo), de péssima aparência", que passou a significar também exatamente o oposto mais tarde: "bastante agradável, de ótima aparência", enfim, também irado, no sentido 2 (en: terrific); ou 2. vazar (en: to leak), no sentido posterior de ir embora(en: to go away). Logo, sem mais para o momento, Fui! ou, a propósito, Vazei! (en: I'm gone)!, isto é, "Estou indo embora, não vou ficar mais aqui." Waltter Manoel da Silva 17h03min de 12 de março de 2008 (UTC)


  • O Albuquerquezinho era um amigo do mano; depois de viúvo começou a tresloucar. E como não tinha parentes e não estava doido declarado para ir para Rilhafoles, trouxemo-lo a viver cá para casa; que o Albuquerquezinho é rico, tem uma fazenda muito boa, ao pé de Santa Eufrásia. - EÇA DE QUEIROZ - A CAPITAL (1925)